As 8 Profissões Que Foram Criadas Pelos Robôs Industriais De Soldagem

As 8 Profissões Que Foram Criadas Pelos Robôs Industriais De Soldagem

17 de agosto de 2020 2 Por Cássio Ribeiro
 

Com o avanço da tecnologia nos últimos anos, a automação e a robótica estão ganhando cada vez mais espaço nas indústrias, trazendo muitos benefícios para a economia mundial. É necessário que as pessoas trabalhem lado a lado com a tecnologia e evoluam junto dela. A robótica pode nos assustar devido aos enormes avanços que estão acontecendo, além das informações que estão disponíveis através da internet. Continue a leitura para entender como esta tecnologia se relaciona diretamente com a necessidade de mão de obra qualificada.

Imagem: Phasmatisnox

Vejamos as 8 principais profissões que foram criadas pelos robôs industriais e que estão cada dia aumentando e gerando novos empregos:

1) Operador de Robô ou de Célula Robotizadas

Esta profissão não consiste somente no carregamento e descarregamento de peças que serão montadas ou soldadas por robôs. Além de reduzir os esforços do trabalhador, permite que o operador de célula robotizada foque no monitoramento da qualidade dos produtos após passar pelo robô. O trabalho em uma célula robotizada é mais limpo, e menos ou quase nada perigoso, devido ao sistema de segurança que é fornecido junto com o equipamento. Outra tarefa, que o operador de célula robotizada pode executar, é verificar e reiniciar o robô em caso de alguma parada inesperada ou pequena manutenção, sem a necessidade de chamar um programador de robô.

2) Programador de Robô

Hoje em dia é comum vermos a possibilidade de realizar uma programação off-line de sistemas robotizados. Porém, a necessidade de um programador de robôs sempre será necessária, principalmente falando de um programador de robô de solda. Este profissional geralmente é uma pessoa experiente na área de soldagem e pode facilmente identificar melhorias ou encontrar o melhor posicionamento do robô quando estiver soldando uma peça. Além disso, é muito importante o programador de robô conhecer muito bem o processo metalúrgico antes da peça chegar à célula de soldagem, pois mesmo com todos os sensores e softwares desenvolvidos para identificar a variação das peças, entender das fases anteriores pode ajudar a aumentar a produtividade e eliminar dores de cabeça na hora da programação.

3) Líder de Robôs

Este nome pode mudar dependendo da empresa em que estão instalados os robôs. Este tipo de profissional tem um dever muito grande, pois geralmente é o responsável por fazer a(s) linha(s) de robô(s) funcionar(em) a pleno vapor, e não deixar a produção parar devido a um robô ou célula robotizada parada. O líder de robôs está sempre “ligado” e atento de como anda a situação dos equipamentos sob sua responsabilidade, e quem ele precisa contatar em caso da necessidade de um ajuste de programa ou uma manutenção imediata. Investe uma boa parte do seu tempo no chão de fábrica, porém também necessita ter todas as informações anotadas, principalmente sobre manutenções preventivas e a verificação de novas peças que podem ser soldadas nos robôs. Também está envolvido em novos projetos de células robotizadas, uma vez que os robôs e as peças produzidas estão em seus pensamentos diários.

4) Mecânico de Manutenção de Robôs

O mecânico de manutenção de robôs é o responsável por manter os robôs e as células robotizadas trabalhando, e não somente “aparecer” quando o ocorrer uma parada no robô. É o profissional que realiza as primeiras manutenções preventivas e básicas dos equipamentos e quem entra em contato com a assistência técnica do fabricante em caso de problemas maiores. Vale ressaltar que esta pessoa deve estar sempre com os conhecimentos atualizados, pois em uma célula robotizada podemos encontrar diversas áreas da automação industrial como: mecânica, elétrica, eletrônica, pneumática, hidráulica, robótica, programação e metalurgia. Dependendo o tamanho da empresa e a quantidade de robôs instalados, é possível a necessidade de mais profissionais dedicados ou separados conforme a área de conhecimento.

5) Soldador Dedicado

Isto mesmo, uma profissão que pode ser muito necessária em caso da necessidade de finalização da soldagem de peças complexas e que não podem ser finalizadas por robôs de solda. Em sua grande maioria, os robôs podem fazer a soldagem completa de uma peça, porém não são os “deuses” da produção. Peças complexas demais podem levar muito tempo para serem soldadas, e uma vez que o robô foi criado para agilizar a produção, colocar somente peças difíceis de serem soldadas acaba por ocupar demais o tempo de um equipamento robotizado. Nesse caso, entram os soldadores dedicados. Além de finalizarem ou prepararem as peças a serem soldadas pelos robôs, também são responsáveis por possíveis retrabalhos que podem ocorrer, e são realocados para continuar a produção das peças em casos que o robô precise ficar parado por algum tempo devido a alguma programação ou parada para de manutenção.

6) Engenheiro / Técnico de Gabaritos

Este profissional é dedicado a criar dispositivos de soldagem e/ou ajustar os gabaritos que já existem nas células robotizadas. Um dispositivo ou gabarito de soldagem é o equipamento que tem a função de segurar e manter a posição das peças a serem soldadas em um robô. Podem ser simplesmente mecânicos ou contar com automações elétricas e eletrônicas para a inserção de sensores de presença de peças ou grampos de fixação automatizados. O objetivo das empresas, que adquirem robôs de solda, é colocar o máximo de peças possíveis a serem fabricadas por esses robôs. E com isso cresce a necessidade de ferramentas de troca rápida, que ficam em uma prateleira próxima a célula robotizada.

7) Engenheiro / Técnico de Aplicações

Este é responsável pela automatização dos processos, ou seja, é a pessoa que tem a visão e faz todos os estudos necessários para a aplicação de robôs no chão de fábrica. Além disso, com a vinda da Indústria 4.0, tem a tarefa de fazer com que os robôs se comuniquem com outros equipamentos da fábrica para agilizar a produção e possivelmente gerar relatórios para a tomada de decisões.

8) Técnico em Robótica

Todos os cargos citados acima, podemos facilmente encontrar em empresas que compram robôs e células robotizadas, porém não podemos esquecer dos profissionais que constroem, programam e instalam os equipamentos nessas empresas. A demanda de Técnicos e Engenheiros em Robótica aumenta cada vez que as empresas adquirem novos robôs. Existem no Brasil diversos fabricantes de células robotizadas que ocupam o seu tempo desenvolvendo novos produtos, reduzindo custos e facilitando a vida de quem compra esses equipamentos. O Técnico ou Engenheiro em Robótica geralmente possui conhecimento em diversas áreas da automação, justamente para saber como fazer a interface de todos os componentes.

Diversas outras profissões são beneficiadas com a chegada de um novo robô na fábrica. Com a aquisição de células robotizadas cargos de vendedores, logística, produção entre outros relacionados a produção, e venda dos produtos, são criados ou expandidos devido à grande e contínua produção que os robôs podem oferecer.

Os robôs e as células robotizadas vieram para facilitar as nossas vidas e fazer com que tenhamos a necessidade da busca constante de informações, atualizações dos nossos conhecimentos perante a tecnologia que não para um minuto sequer de crescer.  Além disso, os robôs jamais irão trabalhar sozinhos, sem a interferência do ser humano. Ao contrário do que escuto por aí, os robôs não vieram para roubar os nossos empregos, e sim para facilitar a vida das pessoas e permitir que sejamos mais “humanos” e tenhamos mais tempo para executar tarefas ou fazer as coisas que mais gostamos.

Receba novos posts por e-mail